Carregueiros

  • Missa

    - Domingo, 10:30h | Igreja Matriz

  • Sobre

    A origem desta paróquia, cujo orago é S. Miguel Arcanjo, remonta a 1530, data em que foi desmembrada da freguesia de Santa Maria do Castelo. Chamava-se, ao tempo, S. Miguel de Porrais.

     

    Tinha, na altura, 106 fogos dispersos pelos seguintes lugares e casais: Casais da Pedreira, Moinho do Prado, Casal do Concelho, Aldeia do Arrife, Aldeia dos Porrais, Aldeia do Vale do Carvalho, Casal do Vale da Figueira, Aldeia dos Carregueiros, Santo António, Aldeia da Filpinheira, Aldeia da Granja, Casal do Vale dos Roucos, Casais da Longra, Vale do Calvo, Casal da Carregueira, Casal das Casas, Casais do Vale do Olival, Casais dos Velidos, S. Silvestre e Aldeia da Assamaça. As igrejas e ermidas então existentes eram: S. Miguel de Porrais, S. Silvestre da Beselga, S. Lourenço e Nossa Senhora das Neves, da Pedreira.

     

    Hoje, dada a posterior criação das paróquias de Beselga e da Pedreira, a sua superfície ficou reduzida a 12,45 km2. Os lugares de culto são a igreja paroquial, a capela de Santo Amaro (Carregueiros) e a capela de Nossa Senhora da Conceição (Brazões).

     

    Quanto a património artístico-cultural significativo, há a mencionar:

     

    Igreja matriz: Dedicada a S. Miguel Arcanjo, com fachada simples, do tipo das igrejas da região e paredes interiormente decoradas por silhares de azulejos enxaquetados, do tipo padrão, do século XVII. Há também restos de um lambril de azulejos mudéjares, verdes e brancos, do tipo quinhentista, e uma pia de água benta, manuelina, profusamente lavrada, embebida na parede da sacristia. Da imaginária, destaca-se um expressivo S. Miguel, escultura de pedra quatrocentista, e, ainda, uma Santíssima Trindade, quinhentista, Santa Luzia, S. Sebastião e Salvador do Mundo, esculturas de pedra, talvez do século XVII, e outras peças raras;

     

    Ermida de Santo António (Pegões): Notável a porta, de verga lavrada ao gosto renascentista, e o tecto artesoado da capela-mor, datado do século XVI. Aqui se encontra sepultado o fidalgo Nuno Gonçalves de Meira, falecido em 1450;

     

    Aqueduto dos Pegões Altos: Inicia o seu percurso a 5 km do lugar de Pegões. Obra de sumptuosa arquitectura urbana, abastecia de água o Convento de Cristo e a cidade de Tomar. As obras, iniciadas em 1593 e terminadas em 1613, foram dirigidas, pelo arquitecto Filipe Tezzi e, mais tarde, por Pedro Fernandes de Torres.