S. Pedro de Tomar

  • Missa

    - Domingo, 10:00h | Igreja Matriz

  • Sobre

    A data da sua criação, desmembrada da paróquia de Nossa Senhora da Serra, remonta a 1474. De S. Pedro da Beberriqueira se chamava, então, e continuou a chamar até 1961 (altura em que mudou para S. Pedro de Tomar), por a igreja «estar situada num outeiro além da Ribeira, entre os Vermoeiros e os Casais que se chamam Beberriqueira, de que esta Igreja tomou o nome».

     

    Ao tempo, além da igreja de S. Pedro, havia a ermida de Santa Marinha, que tinha bens cerca de Cochões, e desapareceu mais tarde. As aldeias, lugares e casais eram os seguintes: Beberriqueira, Vale Florido, Granja da Alcayadaria Mor, Quinta do Manuel Ribeiro, Maria Naya, Quinta do Francisco Pessoa, Bemposta, Baralha, Ervedeira de Baixo, Ervedeira de Cima, Cochões, Vale do Cortiço, Vermoeiros, Fortes, Fontainhas, Terreiro, Contraste e Vale do Barro. 

     

    Do património digno de interesse relaça-se a igreja paroquial, a capela de Santo António e duas imagens – a de Nossa Senhora do Ó (século XVII) e uma de S. José (século XVIII).

     

    Duas curiosidades: A primeira é de 1868 e refere-se a toiros, dizendo o seguinte: «Em 12 de Outubro, o Juiz eleito da Freguesia de S. Pedro participa à Câmara ter-se-lhe queixado o povo de Vale Florido e doutros lugares vizinhos, que os toiros pertencentes a João Salinas Mendonça Caldeira, da Quinta do Ó, se espalham por aqueles lugares, e também pelas estradas, fazendo com que os povos atemorizados e cheios de susto, tenham de fechar as portas de suas habitações e não possam transitar pelas estradas com receio de serem mal tratados por aqueles animais bravios. A Câmara pediu providências ao Administrador do Concelho».

     

    A outra, que supomos singular, é que, durante todo o século XX, esta paróquia teve apenas três párocos – o que, além de singular, é também significativo. Concretamente, desde 11 de Fevereiro de 1896 até 8 de Dezembro de 1943, o primeiro; desde 8 de Dezembro de 1943 até 8 de Dezembro de 1948, o segundo; e desde então até ao final do século, o terceiro.