Glória do Ribatejo

  • Missas

    - Terça-Feira, 18:00h | Igreja Paroquial (no horário de Inverno)
    - Terça-Feira, 19:00h | Igreja Paroquial (no horário de Verão)
    - Domingo, 11:30h | Igreja Paroquial
    - Domingo, 16:30h | Igreja do Cocharro

  • Sobre

    Glória do Ribatejo, freguesia com 53,4 km2 de extensão, localiza-se entre o vale do Sorraia e a ribeira de Muge. O povoamento do local perde-se no paleolítico, como o atestam algumas jazidas arqueológicas. Mas a origem do lugar de Santa Maria da Glória só se verifica, com tal nome, a 30 de Maio de 1362, data que corresponde à colocação da primeira pedra da ermida em honra de Nossa Senhora da Glória pelo justiceiro rei D. Pedro I, que assim cumpria, segundo a tradição, um voto feito em momento de perigo durante uma caçada. A memória deste início de obra ainda hoje é guardada na inscrição em pedra da frontaria da igreja.

     

    Da primitiva ermida apenas subsistem as duas colunas que estão à entrada da nova igreja, a já referida inscrição e, provavelmente, a pia baptismal e a escultura de uma cabeça de felino. Profundamente danificada pelo terramoto de 1755, seria totalmente reedificada em 1783. No decorrer do século XX, a igreja beneficiaria de obras de restauro, tendo desaparecido um quadro que simbolizava a lenda da origem do lugar e uma imagem de prata do Menino Jesus.

     

    A actual vila desenvolveu-se, ao longo dos tempos, em redor da primitiva ermida. Uma carta de mercês de 17 de Fevereiro de 1364 concedia aos seus habitantes determinados privilégios e a função de manterem a chama junto da imagem de Nossa Senhora da Glória.

     

    Posteriormente, os testemunhos históricos documentados referentes à sua evolução datam de 1525, 1642 e 1649 e referem-se, respectivamente, à doação da ermida e sua renda a Diogo Rodrigues, por D. João III, a Manuel Fernandes por D. João VI, e à definição da linha hereditária para escolha do ermitão. A primeira referência demográfica ao lugar aparece em 1758, contando 18 fogos com 80 habitantes. A 29 de Agosto de 1966 passou à categoria de freguesia.

     

    Os glorianos desenvolveram ao longo do tempo uma cultura muito peculiar. Esta originalidade ainda hoje se manifesta, por exemplo, na linguagem, nas danças, no artesanato, nos trajos e nos comportamentos sociais.

     

    A paróquia, formada em 1963 tem por orago Nossa Senhora da Glória ligada às tradições das suas origens.

     

    Como património artístico e cultural mais significativo, a Glória conta com museu etnográfico, igreja paroquial, Ranchos Folclóricos, moinho de vento, além das suas peculiares tradições e das festas da Senhora da Glória.