Tomar (S. Maria dos Olivais)

  • Missas

    - Sexta-Feira, 09:00h | Igreja Paroquial
    - Domingo, 09:00h | Igreja Paroquial
    - Domingo, 18:30h | Igreja Paroquial

  • Confissões

    - Sexta-Feira, 09:30h - 10:30h | Igreja Paroquial

  • Sobre

    É a paróquia mais antiga da nossa Diocese, remontando ao século XIII. O orago é Santa Maria (Nossa Senhora da Anunciação ou do Leite – amamentando o Menino). O apositivo «Olivais» resultou de, ao tempo, existirem, no território, extensos e rendosos olivais. A igreja matriz foi a primeira que os Templários edificaram, no próprio local onde, antes da invasão árabe, era mosteiro da Ordem de S. Bento. Já estava edificada à morte do mestre do Templo e fundador do Castelo de Tomar, Gualdim Pais, que nela foi sepultado, em 1195.

     

    Os Papas Alexandre IV e Gregório IX deram indulgências aos que a visitassem em dia de Nossa Senhora da Assunção, e os Templários fizeram dela Bailia, Convento da Ordem e Panteão. O vigário desta igreja teve honras de bispo e jurisdição episcopal na igreja de Santiago de Santarém, até à criação do bispado do Funchal. Em 1320 é que «foi feita» igreja paroquial, regida por um vigário, freire da Ordem de Cristo, e por capelães e clérigos seculares.

     

    Em 1521, saiu do seu território e jurisdição a nova paróquia de Santa Maria Madalena. No entanto, Santa Maria continua a ser a única paróquia da Cidade, até 1 de Dezembro de 1993, data da criação da paróquia de S. João Baptista, que já era, desde há muito, freguesia civil.

     

    A igreja matriz é monumento nacional, em ótimo estado, de estilo gótico, pensa-se ser do século XII, com interessante intervenção renascentista. São notáveis as imagens de pedra policromada quinhentista de Nossa Senhora do Leite e Santa Ana ou «Santas Mães».  A torre sineira, imponente e quadrada, está separada da igreja, a Poente. Perto da igreja, junto ao rio Nabão, viveu e foi martirizada Santa Iria, padroeira de Tomar.