Póvoa de Santarém

  • Missas

    - Quinta-Feira, 19:00h | Igreja Paroquial
    - Domingo, 09:15h | Igreja Paroquial

  • Sobre

    De Póvoa de Santarém, sabe-se que foi feita freguesia em 5 de Agosto de 1673 e que o seu actual topónimo foi criado por decreto de 7 de Abril de 1925.

     

    Como paróquia, foi D. António de Mendonça, Arcebispo de Lisboa que, atendendo à petição apresentada ao Cabido Sede Vacante, pelos moradores de Póvoa dos Galegos, lhe concedeu a sua desanexação da paróquia de Azoia de Baixo, em 16 de Junho de 1670.

     

    Descontentes pela perda, os paroquia-nos de Azoia de Baixo interpuseram apelação apostólica para o Vigário Geral do Bispado de Coimbra, que a recusou, e concedeu a desanexação definitiva em 20 de Dezembro de 1672.

     

    A igreja paroquial, de nave e capela-mor abobadadas, e púlpito de pilares de caneluras, tem altar-mor e colaterais de talha dourada de fins do século XVIII. Era de início uma pequena capela que foi ampliada ao longo dos tempos. A sua traça actual deve-se a artistas locais, que a restauraram e ampliaram, após o terramoto de 1909.

     

    São de registar as imagens de Santo António, quinhentista, de pedra, ricamente pintada e estofada, a qual tem sido solicitada para várias exposições, entre elas a do Mundo Português; S. José e o Menino, de madeira, pintada e estofada (século XVIII); Nossa Senhora da Saúde, setecentista, de madeira estofada; e ainda uma série de outras, setecentistas, estofadas e douradas, de S. Domingos, Santa Bárbara, S. João Evangelista, Nossa Senhora da Conceição, S. Bernardo, Santa Clara e S. José.

     

    São dignas de interesse duas sepulturas situadas no adro da igreja – uma de Margarida Herculano, sobrinha e filha adoptiva de Alexandre Herculano, que viveu os últimos dez anos da sua vida na Quinta de Vale de Lobos, desta freguesia; outra de Vicente Paulo Cordeiro, benemérito e proprietário dos terrenos do Mato – hoje Rua Bispo D. António Mendonça –, cuja obra ainda hoje é recordada pelos mais idosos, e que doava um lote de terreno a cada casal de noivos que se consorciasse na paróquia a 15 de Agosto, dia da Festa da Padroeira.