Homilia por ocasião do primeiro centenário da paróquia de Riachos

Homilia por ocasião do primeiro centenário da paróquia de Riachos
Bispo de Santarém presidiu à missa no dia 29 de janeiro

100º Aniversário da Paróquia dos Riachos

Padroeiro: Santo António de Lisboa

29-01-2020

 

Caros Irmãos  

​A celebração do Centésimo Aniversário da criação desta Paróquia de Santo António de Riachos, é motivo de gratidão, louvor, alegria e compromisso. 

​A gratidão pelo reconhecimento desta Comunidade cristã como Paróquia. Na verdade, para que aconteça a criação de uma Paróquia, tem de haver o reconhecimento de uma comunidade de cristãos responsáveis e empenhados na missão de crescer e testemunhar a Fé. Uma Paróquia supõe: um povo crente, uma igreja onde se reúne para celebrar a Fé e a prova dada de testemunho de vida nas famílias e na sociedade. Como sabemos, em muitas cidades existem bairros com muitas pessoas, mas não existem paróquias porque não existe Fé cristã que levasse à sua criação. 

​Na origem da Paróquia está o anúncio de uma Palavra, acolhida e geradora da Fé. Acredita-se e a vida interior daquele que escuta a Palavra torna-se mais luminosa e esperançosa. Como ouvimos na primeira Leitura, do Livro do Apocalipse (Ap 21,1-5ª), a Palavra anuncia a novidade da presença de Deus no mundo. “Eis a morada de Deus com os homens. Deus habitará com os homens: eles serão o seu povo e o próprio Deus, no meio deles, será o seu Deus”. 

​As crianças aprendem que a Igreja é a casa de Jesus. Sim, Jesus está sempre sacramentalmente presente nesta Igreja, no anúncio do Evangelho, no altar e no Sacrário. Mas só faz sentido que esteja, se estiver também no coração e na vida dos cristãos. Deus quer estar com os homens para que sintam o seu amor e a sua graça e sejam capazes de edificar uma comunidade justa onde dê gosto viver. Na verdade, a existência da Paróquia é prova de reconhecimento do poder de Deus em renovar todas as coisas. 

​O Apóstolo São Pedro, na segunda Leitura (1Ped 2,4-9), é mais explícito: “como pedras vivas, entrai na construção deste templo espiritual” onde Cristo é a Padre angular. Eis uma imagem: a comunidade paroquial como uma construção, um tempo espiritual, em que Jesus também faz parte. Na verdade ele assegura-nos: “onde dois ou três estiverem reunidos em meu nome, eu estarei no meio deles”. 

 ​O Evangelho (Mt 16,13-19) afirma o grande sentido da tradição da Igreja. AParóquia de Riachos compreende-se na tradição apostólica. Por isso, somos aqui, e já há cem anos, sucessores da Igreja Apostólica, a Igreja que Cristo deu início com os seus Apóstolos. A Palavra de Cristo aos Apóstolos e o Espírito Santo que lhes concedeu, são também a origem motivadora que animou e levou à criação desta Paróquia de Riachos.  

​A Paróquia é constituída como parte da Igreja Diocesana, como Comunidade de pessoas com as quais Deus habita, tendo um pastor próprio, um Presbítero, nomeado pelo Bispo Diocesano. É motivo de gratidão e de louvor. Louvor a Deus pela criação da Paróquia e por todas as graças concedidas ao longo dos cem anos. 

​Esta celebração é também motivo de alegria. Na verdade, celebrar um aniversário tem como significado a alegria pelo bem do passado que chegou ao presente, e o desejo de continuar sempre em renovação. A alegria é fruto do Espírito Santo; é um contentamento que permanece, é a experiência de quem se sente amado e animado para continuar a amar e servir. 

​A celebração dos cem anos da Paróquia, permite-nos assumir a comunhão espiritual com o passado: História da Igreja, dos Santos e também dos nossos Falecidos, especialmente dos que estiveram na origem desta Paróquia e durante os cem anos: Bispos, Padres e fiéis cristãos. Permite também a Comunhão alargada no tempo presente: com oPapa Francisco, o Bispo da Diocese, toda a Igreja Diocesana e Católica, a sociedade civil neste concelho de Torres Novas, e o mundo, com os seus desenvolvimentos e preocupações. Permite ainda, Cultivar o sonho do Futuro. Quem tem fé e esperança tem futuro: sonhamos com um futuro melhor, mais justo e harmonioso, onde todas as pessoas tenham condições de vida digna seja qual for a idade ou dificuldade de saúde. E sonhamostambém com uma eternidade feliz. É bom cultivar o desejo de pertencer à Festa do Reino dos Céus, prometida para aqueles que crêem em Cristo, crucificado e ressuscitado. A dimensão da eternidade, leva-nos a cultivar a sabedoria para viver o tempo presente. 

​Celebrar os cem anos da Paróquia, é uma graça que deve corresponder a um compromisso. Os cristãos desta comunidade paroquial, com o seu Pároco, são agora as pedras vivas deste templo que é a Paróquia, os herdeiros de um testemunho cristão, de gente de bem, com mais de cem anos. Ao Padre Fernando Augusto, a todos os colaboradores paroquiais que assumem responsabilidades e a todos os cristãos da Paróquia, felicito por este centenário e desejo as melhores alegrias na continuidade da missão. 

 ​Santo António de Lisboa, Padroeiro desta Paróquia, é uma grande referência no culto à verdade, à fidelidade a Cristo, à Palavra, aos Sacramentos e na atenção ao próximo. Contamos com a sua poderosa intercessão e a de Nossa Senhora, Mãe da Igreja.

 

+ José Traquina

Bispo de Santarém

Quinta, 6 de Fevereiro de 2020