Comunicações Sociais

Comunicações Sociais
Jornalistas assumem desafio de ir ao terreno, com tempo para as pessoas, em resposta a mensagem do Papa

O Secretariado Nacional das Comunicações Socais (SNCS) e a Obra Nacional da Pastoral do Turismo (ONPT) promoveram no passado dia 14 de maio um colóquio sobre os desafios da era pós-pandemia nos respetivos setores, pedindo atenção e tempo para as pessoas.

D. João Lavrador, presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Socais, convidou os participantes, reunidos no Santuário da Mãe Soberana (Diocese do Algarve) e na transmissão online, a reconhecer o papel dos jornalistas para “dar voz” a quem sofre com a pandemia, num trabalho de proximidade.

O bispo de Angra deixou uma palavra de “felicitação” a todos os que trabalham nos media, em particular a nível das dioceses católicas, e realçou o apelo do Papa para uma “informação com sabedoria”.

O encontro contou com um comentário à mensagem de Francisco para o Dia Mundial das Comunicações Sociais 2021 (16 de maio), que desafia os media a sair das redações para ir ao encontro do quotidiano das pessoas.

Olímpia Mairos, da Rádio Renascença, sublinhou a importância do tema escolhido pelo Papa, ‘«Vem e verás» (Jo 1, 46). Comunicar encontrando as pessoas onde estão e como são’, falando no “risco de não sair da cadeira” e de ser “meros repetidores”.

A jornalista considera que a mensagem do Papa representa um desafio de “desinstalação” ao jornalismo que se faz atualmente.

“Temos vindo a regredir”, advertiu a jornalista, que acompanha habitualmente a atualidade em Trás-os-Montes e Alto Douro, convidando a “fazer diferente”.

Miguel Domingues, jornalista do Algarve que trabalha na SIC, destacou na sua intervenção a importância de ouvir as pessoas e de ter “tempo” para o trabalho de “encontrar histórias”.

“O jornalista só é um verdadeiro jornalista quando está no terreno”, sustentou.

O convidado falou em redações cada vez mais preenchidas por “recolectores de informação”, diante do computador, sem capacidade de contrariar o “imediatismo”.

Lília Almeida, da Antena 1 Açores, reforçou esta preocupação com a ausência de “tempo” e de recursos humanos para o trabalho jornalístico, em contraponto com uma maior “pressão” para reagir cada vez mais depressa.

“Num telefone, não temos os sentimentos, os silêncios. Não é a mesma coisa”, exemplificou.

Numa intervenção enviada à Agência ECCLESIA, o padre Francisco Barbeira, diretor do jornal “A Guarda”, alerta que “as pessoas vivem cada vez mais isoladas, fechadas sobre o seu próprio mundo que muitas vezes se resume a um telemóvel ou a um computador com acesso à internet”.

“Nesta região do interior, hoje mais do que nunca, a imprensa regional tem um papel importantíssimo e insubstituível na promoção e divulgação da memória colectiva e na preservação de tradições ancestrais, ao mesmo tempo que abre novos caminhos de integração”, sustenta.

O sacerdote considera que o convite do Papa a “ir e ver” ganha “cada vez mais sentido e força na informação de proximidade de que os meios regionais são os grandes arautos”.

O painel sobre o tema da comunicação encerrou-se com a intervenção da diretora do Secretariado Nacional das Comunicações Socais, Isabel Figueiredo.

“É necessário que, enquanto consumidores de comunicação, façamos a nossa parte”, apelou, propondo um “discernimento da escuta”.

O encontro foi inaugurado pelo bispo do Algarve, D. Manuel Neto Quintas, que agradeceu pela escolha do Santuário da Mãe Soberana, em Loulé.

Quarta, 19 de Maio de 2021