«+Coração» é uma porta de abrigo aos mais carenciados em Santarém

«+Coração» é uma porta de abrigo aos mais carenciados em Santarém
Grupo de voluntários serve duas refeições por semana e distribui cabazes alimentares na cidade

Este grupo nasceu em 2013, quando um grupo de leigos percebeu “que existiam na cidade muitas pessoas com dificuldades, ainda que não fossem sem-abrigo”, contou à Agência ECCLESIA João Diogo.

O coordenador do «+Coração», um grupo de voluntários de Santarém que serve duas refeições semanais aos mais necessitados, considera que estas ações são uma forma de trabalhar “o Evangelho com as mãos, com os rostos e com o carinho”.

Semanalmente, às terças e quintas-feiras, o «+Coração» confeciona dois jantares para estas pessoas fragilizadas (cerca de 40) no salão da Igreja de Nossa Senhora da Piedade, na cidade de Santarém.

Até março de 2020, a refeição era servida no salão, mas com a pandemia as refeições passaram a ser entregues na porta lateral da Igreja, em sistema take-away por razões de segurança.

“Desde a primeira hora que foi sempre possível fazer uma refeição completa (sopa, prato e sobremesa) para estas pessoas, graças à generosidade de indivíduos e empresas”, relata João Diogo.

Os mais necessitados recorrem “à porta do abrigo” que é a Igreja porque, “como se costuma dizer, não se consegue evangelizar estômagos vazios”, realçou o coordenador do «+Coração», cujos membros se apresentam como “intermediários e o rosto da comunidade”, porque todos colaboram de múltiplas formas.

Para além das refeições, o «+Coração» distribui, mensalmente, cabazes de ajuda alimentar a cerca de 25 famílias carenciadas, o que representa um apoio a cerca de 100 pessoas.

Médica aposentada, Maria Alzira Reis está no «+Coração» há poucos meses e colabora na confeção das refeições, “uma forma de ajudar os mais necessitados”. A voluntária sublinha que, devido à pandemia, “as situações sociais e económicas vão ficar cada vez piores”.

Antes dos confinamentos provocados pela Covid-19 existia uma maior proximidade entre os carenciados e os voluntários, como recorda João Diogo, e “além de tomarem a refeição, as pessoas falavam e, algumas, contavam a sua história de vida”.

“Estas pessoas quer haja pandemia, quer não haja pandemia, necessitam de alimentos e de apoio” por isso o «+Coração» teve “de se reinventar”, reforçou o coordenador.

Com cerca de 40 voluntários, este grupo sociocaritativo da Igreja, em Santarém, está distribuído pela escala da cozinha e do acolhimento.

Cada voluntário desempenha as suas funções e todos os contributos “são importantes” porque, “infelizmente, os pedidos não param de crescer nestes oito anos de atividade”, concluiu João Diogo.

Adaptado de Agência ECCLESIA

Saiba mais aqui. 

Sexta, 15 de Janeiro de 2021