Diocese lança campanha «E o povo viu uma Grande Luz»

Diocese lança campanha «E o povo viu uma Grande Luz»
Vídeos e proposta de elaboração de um vitral-presépio

A Diocese de Santarém lançou uma caminhada de Natal em família, com o tema ‘E o povo viu uma Grande Luz’, que convida as comunidades a preparar-se para o nascimento de Jesus.

“Vivemos em tempos únicos, mas a nossa fé nunca é abalada”, afirma o nosso Bispo na introdução ao caderno onde se inscreve esta campanha.

A atividade começa no domingo de Cristo Rei (22 de novembro) com o testemunho da família Costa e prolonga-se até à celebração do Batismo do Senhor (10 de janeiro de 2021) com o depoimento da família Mateiro.

“Neste tempo de pandemia em que nos encontramos, emergiu a família como valor fundamental para a defesa das pessoas e da sociedade. Surgiu como ‘sinal dos tempos’, isto é, um sinal que nos ajuda a ver a presença de Deus na sociedade humana”, escreve D. José Traquina, Bispo de Santarém, na introdução ao guião da campanha.

documento apresenta propostas de oração e passagens da Bíblia, para reflexão em família.

“Deus não desistiu de renovar a sua Bênção na vida daqueles que consagraram as suas vidas, celebrando o sacramento do Matrimónio. E não deixará sem Bênção todos aqueles que se disponibilizam de boa vontade para o encontro com a Luz e a deixarem brilhar nas suas vidas. Em todas as famílias, que as trevas sejam vencidas pela Luz que é dom de Deus”, refere o Bispo de Santarém.

Ao longo deste período ligado ao Natal, as famílias escolhidas dão o seu testemunho de fé através de uma mensagem de vídeo que pode ser visualizada no site http://grandeluz.com/videos.

O guião preparatório para o Natal propõe também a construção de um vitral centrada em três verbos: cortar, colar e montar.

Introdução de D. José Traquina, Bispo de Santarém à Campanha de Natal 


“O povo que andava nas trevas viu uma grande luz” (Mt4,16) 

São Mateus, citando o profeta Isaías, afirma no seu Evangelho: “O povo que andava nas trevas viu uma grande luz” (Mt 4,16). Andar nas trevas, é andar na escuridão, é falta de condições para ver o caminho e poder caminhar com segurança, é não ver o horizonte e o sentido da vida, é viver em perigo permanente, enfim, é não ter vida verdadeira. São Mateus partilha a sua própria experiência: encontrou-se com Jesus e recebeu d’Ele uma luz tão intensa que deixou o caminho da ilusão em que vivia, uma ilusão que bem podia comparar como trevas.

Felicito a iniciativa da Pastoral da Família na Vigararia de Rio Maior, que se alarga a toda a Diocese de Santarém, nesta revalorização das famílias como espaço privilegiado para acolher a grande Luz de Jesus e viver o amorgeneroso, como o melhor tesouro da vida de um casal e de uma família cristã.

Neste tempo de pandemia em que nos encontramos, emergiu a família como valor fundamental para a defesa das pessoas e da sociedade. Surgiu como “sinal dos tempos”, isto é, um sinal que nos ajuda a ver a presença de Deus na sociedade humana. Também temos notícias de situações de trevas em ambiente familiar; essas situações revelam uma insuficiente abertura à Luz; muitas pessoas consideram suficiente a sua lanterna mas depois a esperança esmorece e o amor fragiliza.

No meio de dúvidas, medos e incertezas, importa considerar a família que temos, deixar que a Luz entre enão desistir do esforço necessário para a renovação do ambiente humano. Sem família, o futuro das novas gerações não será melhor. A família continuará a ser o espaço humano privilegiado para se crescer nos valores espirituais que dão beleza, alegria e sentido à existênciahumana. Crescem todos, pais e filhos. É bom e necessário que, em família, se cultive o dom e dinamismo da fé, também no acompanhamento catequético junto das crianças. 

O dom da fé, necessita de uma boa base humana. Por isso, como escreveu o Papa Francisco:“Na família, cultivam-se os primeiros hábitos de amor e cuidado da vida, como, por exemplo, o uso correto das coisas, a ordem e a limpeza, o respeito pelo ecossistema local e a proteção de todas as criaturas. A família é o lugar da formação integral, onde se desenvolvem os distintos aspetos, intimamente relacionados entre si, do amadurecimento pessoal. Na família, aprende-se a pedir licença sem servilismo, a dizer «obrigado» como expressão duma sentida avaliação das coisas que recebemos, a dominar a agressividade ou a ganância e a pedir desculpa quando fazemos algo de mal. Estes pequenos gestos de sincera cortesia ajudam a construir uma cultura da vida compartilhada e do respeito pelo que nos rodeia” (Ls 213).

A concluir esta mensagem, lembro que Deus não desistiu de renovar a sua Bênção na vida daqueles que consagraram as suas vidas, celebrando o sacramento do Matrimónio. E não deixará sem Bênção todos aqueles que se disponibilizam de boa vontade para o encontro com a Luz e a deixarem brilhar nas suas vidas.

Em todas as famílias, que as trevas sejam vencidas pela Luz que é dom de Deus.

+ José Traquina

Saiba tudo em http://grandeluz.com/

Terça, 17 de Novembro de 2020