199ª Assembleia Plenária da CEP

199ª Assembleia Plenária da CEP
Bispos portugueses reunidos de forma presencial e virtual

O presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) alertou na manhã de 11 de novembro em Fátima para a “preocupante situação de pandemia” no país e no mundo, pedindo medidas de caráter “sanitário, social, económico, cultural e espiritual” na resposta à Covid-19.

“Esta pandemia que paralisou e ainda continua a impedir dramaticamente o normal desenrolar das atividades da humanidade requer atitudes e medidas de caráter sanitário, social, económico, cultural e espiritual”, referiu D. José Ornelas, no discurso de abertura da 199.ª Assembleia Plenária da CEP, que pela primeira vez decorre num regime presencial e online, devido à pandemia.

O bispo de Setúbal defendeu “redobrados cuidados da parte de todos” e medidas que assegurem a “superação da crise, em todas as dimensões humanas, sociais e espirituais que ela afeta”.

“Precisamos urgentemente de vacinas e de tratamentos eficazes, mas não somos apenas organismos doentes do coronavírus. Somos pessoas que precisam de integrar o sofrimento, os esforços e sacrifícios e a beleza dramática da solidariedade num sentido de viver e num caminho de futuro”, precisou.

Esta é a segunda Assembleia Plenária que decorre em contexto da pandemia e na primeira, em junho, a CEP publicou as consequências socioeconómicas da atual crise.

O presidente do organismo católico sustentou que as histórias de luta, de sacrifício e mesmo “tantos erros e atitudes irresponsáveis” dos últimos meses devem resultar numa mudança comunitária, “numa sociedade, numa economia, numa Igreja mais solidários, mais atentos, com mais esperança”.

D. José Ornelas explicou que a reflexão continua nesta sessão, “lançando o olhar mais próximo sobre a realidade e os desafios do presente e as perspetivas de futuro, que a crise representa para toda a Igreja; concretamente para a Igreja em Portugal”.

O presidente da CEP sustentou que a Igreja Católica em Portugal tem sido um “sinal de esperança”, face à situação provocada pela Covid-19, e “nunca “tomou as medidas necessárias para evitar a expansão da pandemia”, evitando o medo ou comodismo.

A intervenção, enviada à comunicação social, destacou a “criatividade” das comunidades católicas na resposta às limitações, “com recurso generalizado aos meios de comunicação social”, bem como a resposta de ajuda “às vítimas económicas, sociais e do isolamento”.

“Sinal de esperança foi a dedicação dos sacerdotes, diáconos e de tantas e tantos cristãos que têm permitido manter e desenvolver as celebrações e os contatos, estar com os mais isolados e atender os que mais perderam com a pandemia. É motivo particular de esperança que, neste contexto, inúmeros jovens tenham despertado para uma participação ativa na vida das comunidades”, declarou D. José Ornelas.

O responsável evocou os recentes falecimentos de D. Anacleto Oliveira, bispo de Viana do Castelo, e D. José Pedreira, bispo emérito da mesma diocese.

Este sábado, às 11h00, os bispos de Portugal vão concelebrar uma Missa de sufrágio pelas vítimas da pandemia, na Basílica da Santíssima Trindade, em Fátima, com a presença do presidente da República e do primeiro-ministro de Portugal.

A 199ª Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa decorre até sexta-feira, na Casa Nossa Senhora das Dores, em Fátima; no sábado, às 14h30, está prevista a realização de uma conferência de imprensa.

A agenda dos trabalhos da assembleia do episcopado fazem parte a análise de “informações e propostas das Comunicações Episcopais e Delegados da CEP”, as “Diretrizes sobre a Proteção de Menores e Pessoas Vulneráveis na Igreja”, o “estudo sobre o Diaconado Permanente” a “Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023” e a “aprovação do Relatório de Contas 2019 e do Orçamento para 2021”, refere uma nota enviada à Agência ECCLESIA.

Quarta, 11 de Novembro de 2020