Rito de Inscrição dos Catecúmenos

Rito de Inscrição dos Catecúmenos
Na passada quarta-feira, começou o tempo da Quaresma com a habitual imposição das cinzas. Nesta Quaresma, o Bispo de Santarém, na mensagem que escreveu aos seus diocesanos, convida-os a fazer uma peregrinação interior escutando a palavra de Deus.

 

Rito de inscrição dos Catecúmenos

Na passada quarta-feira, começou o tempo da Quaresma com a habitual imposição das cinzas. Nesta Quaresma, o Bispo de Santarém, na mensagem que escreveu aos seus diocesanos, convida-os a fazer uma peregrinação interior escutando a palavra de Deus. Um grande foco do desafio lançado é a busca de Deus no quotidiano. Fazendo tudo o que é comum e normal nos seus deveres, D. José Traquina considera que é nesse lugar que surge a oportunidade a aproveitar para que os cristãos se purifiquem, dando lugar à oração e deixando-se olhar por Aquele que a todos ama.

No domingo passado, o primeiro da Quaresma, realizou-se na Sé o rito da inscrição no livro dos catecúmenos (candidatos à receção do sacramento do batismo) dos adultos que serão batizados pelo Bispo da Diocese na Vigília Pascal. Com este rito, os que se prepararam para o batismo – após o período de catequese e estando devidamente preparados – são deste modo acolhidos pela comunidade e acompanhados por ela na etapa final da sua preparação. Neste rito, a Igreja ouve o testemunho dos padrinhos e catequistas, de modo a que os candidatos sejam, daí em diante considerados eleitos.

Na homilia proferida, D. José Traquina destacou o cerne do caminho espiritual na quaresma como uma chamada a “considerar a nossa própria vida pessoal, familiar e comunitária, e fazer um tempo de leitura orante do nosso passado recente ou distante, para podermos admitir e sonhar um tempo novo, de futuro, marcado pela alegria da fidelidade”. Este é um desafio que acontece no âmago da realidade hodierna, onde considerou ser “poderoso o poder do mal”. Como exemplos, destacou uma preocupação sobre “a violência doméstica e familiar, o abuso sobre menores, a escravidão e exploração humana, as injustiças e a falha de cooperação entre governantes das nações”. Neste sentido, o Bispo desafiou os cristãos a fazer o caminho Quaresmal como um exercício espiritual com Cristo, a partira da “intimidade com a Palavra como alimento da esperança”.    

Quinta, 14 de Março de 2019