Bispo de Santarém presidiu à Missa Exequial do Professor Veríssimo Serrão

Bispo de Santarém presidiu à Missa Exequial do Professor Veríssimo Serrão
Celebração decorreu na manhã desta segunda-feira

Missa exequial do Professor Veríssimo Serrão decorreu na manhã desta segunda-feira 3 de agosto de 2020 na Igreja de Nossa Senhora da Piedade em Santarém, como era da sua vontade. O Bispo de Santarém D. José Traquina presidiu à celebração e proferiu a seguinte homilia:

Homilia na Missa das exéquias do Professor Joaquim Veríssimo Serrão

Santarém, Igreja de Nª Sª da Piedade, 03-08-2020

Por razões da sua história pessoal e familiar, o Professor Joaquim Veríssimo Serrão manifestou vontade que nesta Igreja se rezassem as orações das suas exéquias. Aqui estamos.

Um breve comentário às leituras bíblicas e a uma frase do Professor Veríssimo Serrão.

Evangelho: Mc 15,33-39 

O Evangelho que acabámos de ouvir, faz parte da narração da paixão na versão de São Marcos. Um militar estrangeiro, um centurião romano ali presente, vê como Jesus morre na cruz e exclama: “Na verdade, este homem era Filho de Deus”. É uma afirmação de Fé: a morte de Jesus interpela e leva a um reconhecimento, é uma entrega densa de bondade e fidelidade humana e divina. A paixão e morte de Cristo continua a ser uma fonte inesgotável de espiritualidade onde se joga a verdade, a liberdade e o sentido da vida.

Em memória dessa entrega celebramos a Eucaristia, ação de graças pela paixão, morte e ressurreição de Cristo, associando e rogando por todos aqueles que antes de nós faleceram.

Nossa Senhora da Piedade é a Mãe dolorosa. Como o centurião romano, vê o seu Filho morrer na cruz e, depois, recebe-o falecido no seu colo. De certo, com fé e esperança, mas também com interrogações. Porquê e para quê tanto sofrimento?

O que vale mesmo a pena é a contemplação do mistério do amor. Os cristãos rogam para que, na hora da morte, tenham a Mãe por perto para serem também acolhidos com o seu  afeto e ternura.

1ª Leitura: At 10,34-36 

A ressurreição é a vitória, a grande luz na escuridão do medo. Os apóstolos de Jesus morreram mártires por afirmarem que Jesus ressuscitou. O Apóstolo Pedro, como ouvimos na leitura, testemunha a Fé da primeira comunidade cristã constituída em Jerusalém, mas também a sua experiência íntima de um homem perdoado, reconciliado e destemido. E afirma: “...quem acredita n’Ele recebe pelo seu nome a remissão dos pecados”.

O que são os pecados? São distanciamentos que denunciam crise de valores. Quando nos relacionamentos falhamos nos valores espirituais (verdade, bondade, justiça, generosidade), criamos distâncias em relação aos nossos semelhantes e ao próprio Deus. E corremos o risco de perder a unidade interior e de nos tornarmos incoerentes.

Não é meu propósito falar da grandeza humana do Professor Joaquim Veríssimo Serrão, nem tal propósito cabe numa homilia. Porém, ouso referenciar que, o Professor Veríssimo Serrão tinha bem definido o sentido da vida: Aquilo em que acredito firmemente é que a vida fez-se para dignificarmos a pessoa humana e para honrarmos o tempo que nos foi dado viver, fazendo o bem e não fazendo o mal(entrevista ao Diário de Notícias, citada pelo Professor Martinho Vicente Rodrigues in História de Santarém, p. 885).

1-“A vida fez-se para dignificar a pessoa humana”. A pessoa humana como razão de ser de toda a empresa humana. Vivemos num tempo em que é necessário reafirmar esta centralidade da pessoa humana para resolver sérios problemas mundiais.

2-“Honrarmos o tempo que nos foi dado viver”. O tempo é um dom a não desperdiçar. O Professor Veríssimo Serrão soube aproveitar e gerir o tempo. Teve a capacidade de elaborar uma obra grandiosa, mas necessariamente com grande disciplina no aproveitamento do tempo. Cumpriu bem o tempo que lhe foi concedido, com sabedoria e elevação.

3-“Fazendo o bem e não fazendo o mal”. Uma forma de fazer o bem é dignificar a pessoa promovendo-a pelo conhecimento e pelo ensino pedagógico. Foi esse um grande bem promovido pelo Professor Veríssimo Serrão; honrou o tempo dedicando-se à investigação, interpretação, publicação e ensino da realidade da História de Portugal e do Brasil, incentivando os seus alunos à investigação.

4-Finalmente, o Professor Veríssimo Serrão não escondeu a sua predileção por Santarém. É a sua cidade, pela qual se interessou na promoção das pessoas e, de modo especial, pelo ensino. É um bom testemunho do amor à cidade.

As cidades necessitam ser amadas pelos seus habitantes. E no caso de Santarém são fortes as motivações históricas, sociais, culturais, estéticas, paisagísticas e patrimoniais.

O Professor Veríssimo Serrão foi um dom, um grande bem para Portugal, para a Europa, para o Brasil e para o mundo. Existem grandes motivações para agradecer. Agradecer a ele pelo bem que realizou e legou, e agradecer a Deus por nos dar pessoas de tão elevada referência.

Consagrado filho de Deus pelo batismo, o Professor Joaquim Veríssimo Serrão recebeu o selo e o horizonte da eternidade. Com gratidão, rogamos a Deus para que, por Cristo, lhe conceda a purificação e a recompensa pelo bem que realizou a favor da promoção da humanidade.

+ José Traquina

Segunda, 3 de Agosto de 2020