Conferência Episcopal Portuguesa

Conferência Episcopal Portuguesa
- Esclarecimento sobre a celebração do Natal

1. No seguimento da conferência de imprensa de D. José Ornelas, Presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, no final da Assembleia Plenária e face a algumas afirmações públicas sobre a celebração do Natal, nomeadamente “Conferência Episcopal admite não celebrar Missa do Galo”, fazemos alguns esclarecimentos. 

2. O Presidente da Conferência Episcopal afirma que, desde que foi possível retomar o culto público católico, foi dada a maior prioridade à saúde de todas as pessoas e que é possível, nesse pressuposto e seguindo as indicações definidas pela Conferência Episcopal em diálogo com as autoridades de saúde (orientações de 8 de maio), participar com segurança nas celebrações religiosas, nomeadamente as Eucaristias. 

3. A experiência das últimas semanas tem mostrado que, em alguns casos, os encontros familiares, também os que se seguem a celebrações religiosas, podem tornar-se focos de contágio do novo coronavírus. Uma preocupação bem expressa na nota da CEP de 14 de novembro: “em particular, este comportamento responsável deve ser vivido após as celebrações litúrgicas mais festivas (Batizados, Comunhões, Crismas e Casamentos), evitando sempre as concentrações fora das igrejas e nas próprias casas”. 

4. Assim, o Presidente da CEP reafirmou, na conferência de imprensa que apresentou as conclusões da 199.ª Assembleia Plenária da CEP, que tudo é feito para que “seja seguro celebrar na igreja” e apelou a que, fora do templo, as pessoas “tentem não se afastar dessa lógica”, seguindo as indicações da Direção Geral da Saúde. 

5. A respeito das celebrações religiosas do Natal, rejeitando antecipar cenários para os quais não há ainda elementos, D. José Ornelas reafirmou a mesma certeza: que é possível celebrar em segurança no interior dos templos. Quanto aos encontros familiares, afirmou que se devem evitar todos os possíveis riscos de contágio, dizendo mesmo: “Para que os nossos avós cheguem ao próximo Natal, se calhar é necessário que neste Natal não estejamos juntos”. 

Estaremos atentos às condições que se venham a registar na época natalícia e tomaremos as orientações necessárias, sempre na defesa da vida das pessoas em todas as suas dimensões. 

Secretariado Geral da CEP

Lisboa, 15 de novembro de 2020