Homilia do Sr. Bispo na Ordenação diaconal

Homilia do Sr. Bispo na Ordenação diaconal

Homilia do Sr. Bispo na Ordenação diaconal

Sem comentários em Homilia do Sr. Bispo na Ordenação diaconal

III Domingo da Páscoa (Ano B)

Santarém, 15-04-2018

Ordenação de Diácono – João Ramalho

 

Irmãos e irmãs

Caríssimo ordinando

Estamos no III Domingo da Páscoa e hoje nos reunimos aqui em maior número em razão da Ordenação de diácono. Um bom início desta semana de oração pelas vocações de especial consagração.

A Liturgia da Palavra destes Domingos são oportunidades para que cresça a Luz de Deus na nossa caminhada de vida cristã. Que medo e grande dificuldade tiveram os apóstolos (cf Evangelho – Lc 24,35-48) em entender a morte de Jesus? Apesar de algumas afirmações de que o Senhor está vivo, as dúvidas persistem: como aceitar que tenha morrido numa cruz? Como acreditar que esteja vivo?

Conforme escutámos no Evangelho, Jesus aparece aos seus discípulos estando eles cheios de dúvidas; era de tal modo a perturbação e o medo que até pareciam ver um espírito, um fantasma. Uma situação de medo na ausência da Luz da Fé.

Pacientemente, o Senhor Ressuscitado revela-lhes as marcas da paixão e convida-os à intimidade de uma refeição. É nesse contexto que lhe abre o entendimento acerca das Escrituras; leva-os a entender que a sua morte e ressurreição não são apenas episódios da História da Salvação, são o centro e a referência absoluta do Tempo novo da Igreja, com a atuação e o dinamismo do Espírito Santo. O centro não somos nós, é Cristo nossa Páscoa, e é n’Ele e no seu projeto de Reino que nos devemos centrar.

Jesus Ressuscitado a todos concede a sua paz. Depois, leva os discípulos a entender a missão a partir da sua Páscoa: “Assim está escrito que o Messias havia de sofrer e de ressuscitar dos mortos ao terceiro dia, e que havia de ser pregado em seu nome o arrependimento e o perdão dos pecados”(…). “Vós sois testemunhas destas coisas” (Lc 24,46-48).

Cristo Pascal é o centro e a fonte do perdão, da revelação de toda a Misericórdia do Deus; é a vitória do amor que salva o homem; é força libertadora do mal; é princípio de uma nova vida. É a recriação do homem! O homem purificado, conforme a segunda Leitura (1ªJo 2,1-5ª), é o homem que, sabendo-se imperfeito, reconhece que os seus pecados e os do mundo inteiro são eliminados por Cristo. O homem já não fica obrigatoriamente escravo dos seus pecados.

Entretanto, como escutámos na primeira Leitura (At 3,13-15.17-19), os apóstolos também ‘ressuscitaram’, aparecem cheios de coragem. Sem qualquer ponta de medo, testemunham a força libertadora de Cristo ressuscitado. “Vós matastes o Autor da vida, mas Deus ressuscitou-O dos mortos”. “Agistes por ignorância (…). Arrependei-vos e convertei-vos para que os vossos pecados sejam perdoados” (At 3,15.17.19). Os apóstolos revelam compaixão; sabem que o mal acontece por ignorância, sobretudo ignorância de Deus; e uma sociedade que desconhece ou rejeite a Bênção de Deus, não se torna nem mais segura nem mais justa.

Caríssimo ordinando João Ramalho, reconhece: o Senhor Jesus Ressuscitado, o Servo de Deus, deu a vida também por ti. E nesta sua Igreja Diocesana, chama-te a configurares a tua vida com a d’Ele. O diácono, ministro de Cristo para o Serviço, é aquele que reconhece a misericórdia e a graça de Deus na sua vida e, com humildade, se dispõe a responder e a servir a Deus dedicando-se ao seu Povo, sempre em comunhão com o Bispo e o seu Presbitério.

Fortalecido com os dons do Espírito Santo, o diácono tem por missão ajudar o Bispo e o seu presbitério no serviço da palavra, do altar e da caridade, mostrando-se servo de todos. Ministro do altar, proclama o Evangelho, prepara o sacrifício e distribui aos fiéis o Corpo e o Sangue do Senhor. (…) Com a ajuda de Deus, deve em tudo comportar-se de tal modo que sempre nele se reconheça um verdadeiro discípulo de Cristo, que não veio para ser servido mas para servir. (…) procura de todo o coração fazer com amor a vontade de Deus, e servindo ao Senhor, serve também aos homens com alegria” (Ritual da Ordenação, 2007, 3ª ed., p.143)

A graça do 1º grau do sacramento da Ordem, acolhida na vivência do celibato consagrado, permite que te dediques a Deus e aos irmãos com uma especial alegria e uma acrescida identificação com Cristo.

A Igreja, na sabedoria da sua Tradição, requer que todos os candidatos ao Presbiterado, exerçam o ministério de Diácono. Com efeito, a Igreja deve assumir-se como serva, a ‘humilde serva’, identificando-se com Nossa Senhora, na gratidão e na alegria, na fidelidade e no louvor. A Ordenação de Diácono não surge apenas como uma opção de liberdade mas por um encontro, um chamamento livre que pede uma resposta livre e responsável: “Não fostes vós que Me escolhestes, fui Eu que vos escolhi e vos envio para que o vosso fruto permaneça” (Jo 15,16). E neste envio, não podem ser esquecidos os pobres; como sabemos, foi em contexto de atendimento aos pobres que surgiu na Igreja de Jerusalém a instituição dos Diáconos.

Caríssimo ordinando, na passada semana, no início do teu retiro de preparação da Ordenação, veio a público a nova Exortação Apostólica (Alegrai-vos e Exultai) do Papa Francisco. Pela coincidência e pela beleza do seu conteúdo, sugiro que esta Exortação seja para ti um documento de especial referência. Cito algumas breves afirmações que selecionei: “Não tenhas medo de apontar para mais alto, de te deixares amar e libertar por Deus. Não tenhas medo de te deixares guiar pelo Espírito Santo” (nº 34); “Oxalá consigas identificar a palavra, a mensagem de Jesus que Deus quer dizer ao mundo com a tua vida” (nº 24); “Não tenhas medo da santidade” (nº 32); “O santo é capaz de viver com alegria e sentido de humor. Sem perder o realismo, ilumina os outros com um espírito positivo e rico de esperança” (nº 122). “Olhemos para Jesus! A sua entranhada compaixão (…) impelia-O fortemente a sair de Si mesmo a fim de anunciar, mandar em missão, enviar a curar e libertar. Reconheçamos a nossa fragilidade, mas deixemos que Jesus a tome nas suas mãos e nos lance para a missão. Somos frágeis, mas portadores de um tesouro que nos faz grandes e pode tornar melhores e mais felizes aqueles que o recebem” (nº 131).

Caro ordinando, espero que te revejas nesta exortação a viver na santidade, na alegria, e no acolhimento permanente do dom do Espírito Santo, tesouro que vais receber para te habilitar a exerceres o ministério de Diácono. Tudo acontece em ambiente de Igreja. Por isso, a Igreja de Santarém, Povo de Deus aqui reunido, dá graças pela tua vida, escuta os teus compromissos, implora a intercessão dos Santos, e acompanha-te na Ordenação com fé e elevada esperança.

Nossa Senhora, Mãe da Igreja, Mãe dos discípulos de seu Filho, te acompanhe hoje e todos os dias da tua nova vida, como um consagrado ministro de Cristo.

 

+ José Traquina

Bispo de Santarém

Back to Top