Ordenação diaconal na Sé

Ordenação diaconal na Sé

Ordenação diaconal na Sé

Sem comentários em Ordenação diaconal na Sé

No dia 15 de Abril, pelas 16h na Santa Igreja Catedral, D. José Traquina, terceiro Bispo de Santarém, ordenará diácono o seminarista João de Sousa Ramos Ramalho Ribeiro. Na véspera, em Alpiarça haverá uma vigília de oração pelas vocações pelas 21h30. Partilhamos o testemunho do candidato eleito, apresentando-se à diocese.

Chamo-me João Ramalho Ribeiro e tenho 30 anos.

O Senhor deu-me a Graça de nascer numa família muito feliz. Os meus pais namoram desde os 14 anos, altura em que frequentavam o liceu de Portalegre. Em 2019 farão 50 anos de casados. Eu sou o mais novo de quatro irmãos (tenho dois irmãos e uma irmã). Os meus irmãos estão todos casados e cada um tem três filhos.

Digo isto porque me define muito e, ao chegar a esta etapa da minha vida desejo muito viver uma saudável fraternidade na missão que Jesus me confiar. Neste momento escrevo-vos a convidar para a missa em que serei ordenado diácono. Esta será no dia 15 de Abril, pelas 16h na Sé.

Fui batizado há cerca de trinta anos no Vale de Santarém pelo Pe. Branco. Aí estudei na escola primária e andei na catequese até ao 10º ano. Sempre gostei muito de desporto, principalmente de jogar rugby. Fi-lo desde cedo e até entrar para o Seminário. Ser treinador de rugby também foi importante para ver que o Senhor me podia chamar porque as novas gerações precisarão de ser conduzidas. Depois de andar no Liceu em Santarém, fui para Lisboa onde tirei a licenciatura em economia na Universidade católica e, de seguida, o mestrado em gestão com especialização em finanças.

Ao longo de toda a vida sinto que tive muitos amigos e que o Senhor sempre foi bom para comigo. A minha vida espiritual foi alimentada pela família, muito coerente na vida de fé e fiel às celebrações da comunidade. No tempo do secundário foi muito importante a ida a Taizé e, no final deste tempo, uma peregrinação de um semana a Santiago de Compostela (creio ter sido nesta que me apercebi que queria ser cristão e que fui fortalecido de um modo mais permanente na fé). No tempo da Universidade, o Senhor acompanhou-me de modo particular nos bons amigos que me continuava a dar e com quem ia à missa, num namoro que questionou as minhas convicções e o caminho que queria para a vida e nas missões universitárias.

Em 2010, fiz missões País pela segunda vez, tinha uma comunidade com amigos em Schoenstatt e outra no Opus Dei, ajudei a preparar dois encontros em Fátima com o Papa Bento XVI (cuja vinda vivi de um modo muito entusiasmado), passei a ir à missa diariamente e, motivado pelos meus amigos, fui crismado no dia 4 de Julho.

Estava a acabar o mestrado e interrogava-me o que queria para a minha vida. Negava a ideia de ser padre por achar que não era digno e por não querer abdicar do casamento. Nisto, em novembro de 2010, a minha mãe deu-me um texto em que a ideia base era: “não esperes ser perfeito para me seguir”. Quando o li percebi que tinha de pôr a hipótese de ser padre e entrar no seminário. Não esperei ficar tão radiante com a possibilidade. Passei o resto do ano a preparar-me e a desejar entrar no seminário.

No dia 11 de Setembro de 2011 entrei no seminário de Caparide, onde frequentei o ano propedêutico e o primeiro ano. Em 2013 entrei para o seminário dos Olivais. Em 2014-2015 e 2015-2016 estive a aprender com o Pe. Pedro nas Alcobertas e nos dois anos seguintes em Alpiarça com o Pe. Tiago. Nesta paróquia haverá no dia 14 às 21h30 uma vigília de oração pela ordenação, após vir de retiro.

Sinto que aprendi muito no tempo do seminário e a Graça do Senhor tem feito maravilhas no meu crescimento. Sinto-me mais maduro e mais cristão. Tenho sido bem acompanhado, apesar de, por vezes não acolher com muito amor as ações de quem me acompanha.

Ao entrar no sacramento da Ordem, peço-vos que rezem por mim.

 

Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

João Ramalho Ribeiro

Back to Top