Homília do Bispo de Santarém na Noite de Natal

Homília do Bispo de Santarém na Noite de Natal

Homília do Bispo de Santarém na Noite de Natal

Sem comentários em Homília do Bispo de Santarém na Noite de Natal

 

Solenidade do Natal do Senhor: Missa da Noite

Catedral de Santarém, 24 de Dezembro de 2017

 

Irmãos e irmãs

A Solenidade do Natal do Senhor é cheia de encanto e beleza. Foi e é uma grande afirmação de Fé considerar que no Menino de Belém estava Deus. É o princípio de uma nova era marcada pela fidelidade de Deus no cumprimento das suas promessas, como foi sonhado pelos santos profetas do Antigo Testamento.

Ouvimos na 1ª Leitura (Is 9,1-6) do Profeta Isaías: “O povo que andava nas trevas viu uma grande Luz…”. Que trevas são estas? Trevas é escuridão, é falta de visão do caminho, é falta de esperança. Mas estas trevas de que fala o Profeta correspondem à falta de respeito e consideração pelo povo que vivia na pobreza, falta de respeito pela vida humana, a indiferença dos poderosos.

O rei Acaz rejeitou os sinais divinos, por isso, o povo sofrerá pela falta de fé do rei governante. Então, o profeta Isaías anuncia: Deus não abandonará o povo que ama e por isso lhe aparecerá como uma Luz que brilha nas trevas.

A esta nova Luz corresponde um novo tempo sonhado; desaparecerão a opressão, a violência e a guerra e terá início uma era de Paz, de Justiça e de Fraternidade.

Esta profecia não se realizou de imediato, manteve-se no povo como Promessa que Deus havia de cumprir. Novas crises apareceram e numa altura (ao tempo do Império Romano) em que já se voltava a pensar que tudo se resolveria por um governo forte e pelo poder das armas, nasce Jesus no Presépio de Belém.

Vemos como Deus segue uma lógica diferente. Vemos como o tempo novo, o Reino sonhado de Justiça, de Paz, não se impõe; planta-se como uma árvore. O Reino de Deus surge na Terra tão pequeno como uma criança; pela Fé celebrada na Liturgia desta Noite de Natal, atualiza-se o mistério da vinda de Deus ao mundo e por isso cantamos:

“Hoje nasceu o nosso Salvador, Jesus Cristo, Senhor”.

Por quê assim? Qual foi a intenção de Deus?

-Recomeçar tudo de novo! Natal é nascimento! É início de um tempo novo onde a Graça de Deus se afirma disponível.

No Evangelho (Lc 2,1-14) proclamado nesta Noite, S. Lucas descreve o enquadramento histórico em que aconteceu o nascimento de Jesus: “…saiu um decreto de César Augusto (…) quando Quirino era governador da Síria. Todos se foram recensear, cada um à sua cidade. José subiu também da Galileia, da cidade de Nazaré à Judeia, à cidade de Belém, por ser da casa e da descendência de David, a fim de se recensear com Maria, sua esposa, que estava para ser mãe”.

Esta narrativa acerca do Nascimento de Jesus tem a preocupação do enquadramento histórico. Deus atua diretamente na História da humanidade, sujeitando-se a uma situação de pobreza, mas sem dispensar a ternura da Virgem Maria e de São José.

Maria deu à luz o seu Filho num estábulo de animais e “deitou-o numa manjedoura”, por não houve lugar na hospedaria.

Também no nosso tempo existem trevas no mundo e, por isso, há crianças submetidas a tantas dificuldades que parece não haver solução para elas. Todas as famílias que no mundo buscam o seu lugar e o reconhecimento da sua dignidade, encontram em Jesus, Maria e José o melhor testemunho e uma intercessão. Celebrar o Natal do Senhor tem tanto de beleza como de responsabilidade.

Irmãos e irmãs, Natal é apelo ao interesse pelo bem comum da sociedade e do mundo em que vivemos, é apelo à purificação interior, ao perdão e à fidelidade, é oportunidade para refazer relacionamentos e recarregar as baterias da esperança. Apesar de existirem trevas, a Luz de Deus reacende-se em nós como vocação e missão de vida; foi o que aconteceu muito vivamente com Luiza Andaluz, em Santarém, há cem anos. No passado dia 19 de Dezembro o Santo Padre, Papa Francisco, assinou o Decreto relativo ao reconhecimento das Virtudes Heroicas da Serva de Deus Luiza Andaluz, Fundadora da Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima, a partir do qual Luiza Andaluz é designada por Venerável. É uma etapa central e decisiva para que, Luiza Andaluz venha a ser um dia reconhecida e declarada como Beata e Santa. Não podemos deixar de nos alegrar com este reconhecimento; tratando-se de um sinal para toda a Igreja, é-o de forma especial para a Igreja Diocesana de Santarém e para esta cidade. É um testemunho de vida cristã e uma intercessora junto de Deus que devemos considerar. Alegramo-nos e felicitamos a Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima.

Natal é tempo privilegiado de alegria; oportunidade para acolher o mesmo anúncio feito aos pastores de Belém: “não temais, porque vos anuncio uma grande alegria, (…) nasceu Cristo Senhor”. Contemplando o Menino do presépio, sintamo-nos alegres pela vinda de Deus; sintamo-nos privilegiados e amados por Deus. Na mensagem de Natal que escrevi para as crianças, imaginei para elas como os pastores de Belém se alegraram tanto com a presença do Deus Menino que foram capazes de se converter e adotar uma nova forma de viver. Foi uma luz nova que entrou nas suas vidas.

Como ensina São Paulo na 2ª Leitura, “manifestou-se a graça de Deus, (…) ela nos ensina a renunciar à impiedade e aos desejos mundanos”.

O Natal é também um grande apelo à conversão. Conversão a um Amor que nos distingue na verdade e na liberdade e nos leva a renunciar ao que é injusto. Experimentamos assim a alegria dos pastores de Belém e conseguimos participar no mesmo louvor que os anjos cantaram e agora é cantado pela Igreja inteira: “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados!”. Ámen.

+ José Traquina, Bispo de Santarém

Back to Top